Foto de Filipe Lima.

 

Foi no passado dia 18 de janeiro, na Pousada da Juventude de Almada, que foi efetivado um protocolo que assinalou a entrada da Federação Nacional das Associações Juvenis (FNAJ) e do Conselho Nacional de Juventude (CNJ) no capital social da Movijovem – 10% cada uma. Trata-se de uma reivindicação antiga da FNAJ a integração desta estrutura representativa do movimento associativo juvenil na cooperativa MOVIJOVEM.

Ao integrarem, também, o Conselho Estratégico, o CNJ e FNAJ passam a poder emitir pareceres prévios sobre o plano e relatório de atividades e contas, bem como sobre todas as opções estratégicas, passando a colaborar na definição de políticas públicas de juventude no âmbito da mobilidade juvenil e da iniciativa Cartão Jovem.

Nas palavras do Secretário de Estado, Dr. João Paulo Rebelo: «É com estas pessoas concretas que vamos construindo as políticas de juventude indispensáveis para o País. Ninguém mais do que eu defende o mote internacional: nada para a juventude sem a juventude»

A abertura à cogestão nas políticas públicas de juventude é, há muito, uma aspiração do movimento associativo, cuja participação na definição de políticas, a nível europeu, é já uma prática comum.

Foi assim dado, segundo palavras da FNAJ, “um importante passo na efetivação do envolvimento d@s jovens nos processos de decisão e cogestão da “coisa pública”, no setor da juventude”.